Yoga, a transformação silenciosa
20 de abril de 2018
Espelho espelho meu, existe alguém que se cobra mais do que eu?
11 de maio de 2018

Ofereço a tradução e transcrição de um dos ensinamentos do mestre vietnamita Thich Nath Hanh aos leitores do blog do Espaço Maitri. Esse ensinamento está disponível livremente no YouTube e fala sobre reconhecimento e cuidado com o corpo. Acredito que cuidando do próprio corpo estamos criando uma rede de cuidados que acolhe, oferece, transforma e possibilita a formação de ciclos muito mais generosos e criativos.


O início do amor

Primeiro de tudo. Inspira em plena consciência. E te faz consciente de que tens um corpo.

Inspirando. Sei que tenho um corpo.

O corpo é uma parte de ti mesmo muito importante. Você passa 2 horas diante do computador, fica estressado, não sabe como parar e esquece completamente que tem um corpo durante essas 2 horas. Fica olhando para o futuro no teu trabalho. Enquanto teu corpo sofre. Então, o primeiro ato de amor é inspirar e ir para casa, para o teu corpo.

Inspirando…
Eu sei que eu tenho um corpo
Oi, corpo! Estou em casa!
Eu cuidarei de você!

Ser consciente do corpo…isso é o início do amor. E quando a mente está em casa, no corpo, a mente e o corpo estão estabelecidos no aqui e agora. Podes notar duas coisas com a prática da respiração consciente:

A primeira coisa que notará é que teu corpo é uma maravilha

Tens que redescobrir que teu corpo é uma maravilha. Os biólogos e outros estão tentando entender o corpo que é uma obra prima do cosmos.

O corpo é uma maravilha. O corpo é a base da consciência. A consciência do cosmos. E você não sabe o valor do teu corpo. Teu corpo contém todas as informações da história do cosmos.

Reconheça a presença dos ancestrais

Em cada célula do teu corpo você pode reconhecer a presença dos teus ancestrais. Não somente ancestrais humanos, mas ancestrais animais, vegetais e minerais. E todos os teus ancestrais ainda estão vivos no teu corpo, com suas debilidades e suas forças. Você deve ter tomado teu corpo por garantia, mas isto é uma maravilha.

Teu cérebro, o neocórtex é um sofisticado tipo de organização. O cosmos se uniu para produzir essa maravilha que é o teu corpo. E se podes estar em contato com teu corpo, podes estar em contato com todo o cosmos, com teus antepassados e também com as futuras gerações, eles estão realmente dentro do teu corpo para manifestar-se mais tarde.

Tens a capacidade de apreciar a maravilha que é o teu corpo?

Reconheça a mãe Terra

A mãe terra está em ti. Não só abaixo e ao redor de ti, mas também em ti
E o pai Sol também está em ti. Você é feito de brilho do sol. É feito de ar fresco, água fresca.
Ser consciente e valorizar essa maravilha, pode te dar realmente muita felicidade.

Inspirando sei que tenho um corpo e posso desfrutar tendo este corpo.

Podes estar em contato com a história da vida, podes estar em contato com teus antepassados.
Teu corpo contém toda a informação referente ao cosmos e este tipo de consciência pode ser curativo, pode ser nutritivo.

Respiração consciente para sofrer menos

A segunda coisa que ocorre quando voltas ao teu corpo é que pode haver tensão e dor. Porque permitiu que a tensão e a dor se acumulassem em teu corpo durante muito tempo.

Não amou teu corpo durante muito tempo. Fez o teu corpo sofrer. Assim, a respiração consciente te permite a consciência dele e repentinamente queres que teu corpo sofra menos. E isto é porque tu expiras de maneira que podes soltar a tensão do teu corpo. Isto é um ato de amor dirigido ao teu corpo

Estes exercícios de respiração consciente, a respiração consciente está disponível no sutra Ānāpānasati.

Inspirando, eu tenho consciência do meu corpo.
Expirando solto as tensões do meu corpo.

Isto é um ato de amor dirigido ao teu corpo. É realmente concreto.

E a pergunta é: como posso amar a mim mesmo?

Amar a si mesmo é reconhecer teu corpo e soltar as tensões do teu corpo. E quando inspiras e expiras você trás tua mente para casa, para teu corpo e reconheces muitos elementos refrescantes e curativos disponíveis.
Então podes gerar o sentimento de alegria. Um sentimento de felicidade para te nutrir. Isto é um ato de amor.

Para quem pratica atenção plena não é difícil gerar um sentimento de alegria ou um sentimento de felicidade. Baseado no fato de que estás rodeado de muitos elementos refrescantes e curativos.

Tens tantas condições de felicidade disponíveis no momento presente que não há problema em gerar um sentimento de alegria e de felicidade através da respiração consciente. E isso é exatamente como amar a si mesmo: permitir nutrir-se por sentimentos de alegria e felicidade.

Abrace a tua dor e aflição

Quando praticas a respiração consciente, podes tomar consciência de que há um sentimento de dor, uma emoção dolorosa, e sabes que tem exercícios de respiração consciente que podem ajudar a abraçar – reconhecer e abraçar – toda dor e aflição e te ajudará a sofrer menos.

1, 2, 3 minutos de respiração consciente, abraçando tua dor e aflição podem ajudar a sofrer menos. Este é um ato de amor.
Amar-nos é possível com a prática da respiração consciente ou o caminhar consciente.
Quando reconheces teu próprio sofrimento. Podes acalmá-lo e podes ir em frente abraçando teu sofrimento, escutando-o, olhando profundamente a sua natureza. Podes descobrir as raízes desse sofrimento, o tipo de percepções que tem dado origem a este sofrimento e começas a compreender teu sofrimento.

E podes descobrir que teu sofrimento leva ao ao sofrimento do teu pai, tua mãe e teus antepassados. Compreendendo teu sofrimento, entendes o sofrimento do teu pai, mãe, antepassados. E compreender o sofrimento sempre traz compaixão e este é o poder de curar e sofrer menos. É também um ato de amor. E quando sofres menos pode ajudar o outro: teu filho, tua filha, teu pai, tua mãe, teu companheiro a sofrer menos também .

Se entendes teu sofrimento, podes não sofrer nunca mais. Estarás motivado pela energia de compaixão em você para fazer algo para ajudar a outra pessoa a sofrer menos. E quando o outro sofre menos, você sofre menos e tens mais alegria. Esta é a maneira de amar a si mesmo

Não poderás amar o outro se não amar a si mesmo. Este é o ensinamento do Buda: amar a si mesmo. É muito concreto. Com a nossa respiração e soltando as tensões, tu cuidas do teu corpo, tu cuidas dos teus sentimentos e das tuas emoções.


Convido todos a praticar! Mais do que ler, colocar em prática na vida cotidiana é muito importante. Aos poucos vamos aprendendo a dirigir nossa mente e vamos diminuindo as tensões geradas pelo dia-a-dia.

Que esse ensinamento seja de benefício!

Elen Cezar
Elen Cezar
Praticante de Meditação. Facilitadora no CEBB Macaé e GEBB S. Pedro d'Aldeia/RJ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *